inspiracao   / Descobertas

Trabalhadores encontram fósseis de dinossauros em obra de rodovia no interior de SP

Segundo paleontólogos, os fósseis de dinossauros têm datação de mais de 90 milhões de anos

Bons Fluidos Publicado segunda 19 abril, 2021

Segundo paleontólogos, os fósseis de dinossauros têm datação de mais de 90 milhões de anos
Escavações revelaram ossos de titanossauros e dentes de abelissauros - Divulgação/ Eixo SP/ Agência Brasil

Trabalhadores da construção civil que atuavam na construção de uma praça de pedágio se depararam com fósseis datados de mais de 90 milhões de anos durante escavação de uma galeria para escoamento de água na rodovia Comandante João Ribeiro de Barros (SP 294), entre as cidades de Irapuru e Pacaembu, no interior do estado de São Paulo.

Para que paleontólogos pudessem estudar com mais cuidado os fósseis, as obras foram interrompidas imediatamente após os trabalhadores encontrarem peças que pertenceram ao período jurássico a uma profundidade de 20 metros da superfície do solo, na última quinta-feira, 15, no quilômetro 623 da rodovia.  

+ VEJA TAMBÉM: Chapada Diamantina, BA, poderá entrar para lista seleta de Geoparques Mundiais da Unesco

+ VEJA TAMBÉM: Após 3 mil anos, famosa 'Cidade de Ouro Perdida' é encontrada no Egito

Biólogos e paleontólogos do Museu de Paleontologia Pedro Candolo, em Uchoa (SP), foram enviados para o local e constataram que as peças se tratam de ossos de titanossauros e dentes de abelissauros -- este último foi uma espécie de dinossauro bípede que chegava a medir até 9 metros de altura e se alimentava de outros animais. 

Além dos fósseis destes animais pré-históricos, os pesquisadores também encontraram no local escamas de peixes, dentes de crocodilos e partes de cascos de cágados, todos com dezenas de milhões de anos. Segundo os pesquisadores, a descoberta confirmou o que estudiosos já desconfiavam; a teoria de que a região era habitada uma fauna rica em répteis de grande porte.

"Dentre os fósseis coletados, temos peças bem importantes, em especial os fragmentos cranianos, que vão permitir investigar mais a fundo se as espécies descobertas são inéditas ou já catalogadas na região”, disse à Agência Brasil o paleontólogo Fabiano Vidoi Iori, que participou da avaliação do material. 

 

Último acesso: 29 Nov 2021 - 18:45:58 (1044779).