inspiracao   / Esperança

Em prontuário criativo, médica de Brasília descreve interesses de pacientes com Covid-19

"Não estamos em uma guerra, estamos em uma pandemia, cuidando de vidas", afirmou a profissional responsável pelo projeto humanitário

REDAÇÃO BONS FLUIDOS Publicado segunda 5 abril, 2021

Médica de Brasília descreve interesses de pacientes com Covid-19 em prontuário criativo - Reprodução/G1

Nome, idade e número do leito são algumas das informações básicas geralmente encontradas nos prontuários os pacientes hospitalizados com Covid-19 pelo Brasil afora.

No Hospital Universitário de Brasília, o HUB, a reumatologista Isadora Jochims, de 35 anos, resolveu inovar e acrescentar um pouco de humanidade ao tratamento das vítimas no novo vírus pandêmico.

+ VEJA: Médica canta e toca violão para pacientes com Covid-19 em ala da UTI em São Paulo; assista ao vídeo

Apelidando a ficha-médica de "prontuário afetivo", Isadora faz questão de colocar no registro dos pacientes alguns dos interesses e paixões dessas pessoas.

"Estou cansada de ouvir que estamos em uma guerra. Não estamos em uma guerra, estamos em uma pandemia, cuidando de vidas", afirmou a profissional da saúde em entrevista ao portal G1. "Gosta de: barulho de água e passarinho; Raul Seixas; música sertaneja raiz" são algumas das informações presentes nos prontuários.

+ VEJA: Por que não existe pílula anticoncepcional masculina?

Além das consultas e acompanhamentos médicos, uma de suas atividades da profissional confere ligar para os familiares dos pacientes em processo de recuperação da Covid e informar sobre o estado de saúde dessas pessoas.

"Eu passava todas as informações médicas, aí perguntei: 'Olha, se por acaso ele acordar de uma sedação, o que ele gostaria de ouvir? Do que ele gosta?", disse Isadora. E foi aí que a médica começou a mergulhar nas paixões dos pacientes e trazer esses interesses para a ala de internação.

"Do outro lado da linha, ouvi um sorriso, uma risada. E as pessoas diziam: 'Ele é torcedor do Palmeiras', 'gosta de Raul Seixas ', e fomos anotando [...] A gente chama de arte relacional [...] A arte não existe se não tiver o outro. Pra ela acontecer, eu preciso da resposta do familiar, dos profissionais que estão ali e provocar as mudanças na relação", finalizou.

Último acesso: 16 Apr 2021 - 08:39:57 (1044684).