inspiracao   / Descobertas

Astronomia: cientistas da ESO descobrem galáxia similar à Via Láctea localizada a 12 bilhões de anos-luz

Batizada com o código SPT0418-47, a nova galáxia foi descoberta pelos pesquisadores no dia 12 de agosto

REDAÇÃO BONS FLUIDOS Publicado quinta 20 agosto, 2020

Batizada com o código SPT0418-47, a nova galáxia foi descoberta pelos pesquisadores no dia 12 de agosto
Astronomia: cientistas da ESO descobrem galáxia similar à Via Láctea localizada a 12 bilhões de anos-luz - Foto: ESO

Neste mês de agosto, mais especificamente no dia 12, quarta-feira, cientistas detectaram uma galáxia similar a Via Láctea localizada a 12 bilhões de anos-luz.

Caracterizada até onde conseguimos ver por um anel dourado e um fundo preto, a descoberta feita por cientistas do Observatório Europeu do Sul (ESO), batizada com o código SPT0418-47, está tão distante que sua luz demorou mais de 12 bilhões de anos para chegar até aqui.

+ VEJA: Buda gigante de 1200 anos tem os pés cobertos por enchente e população tenta protege-lo

E é por causa disso que, curiosamente, ela é vista como era quando o universo tinha 1,4 bilhão de anos, ou seja, apenas 10% de sua idade atual. Vale dizer que, naquela "época", as galáxias ainda estavam apenas se formando.

Localizada pela rede de radiotelescópios ALMA, no Chile, foi constatado que a SPT0418-47 se parece com a Via Láctea, isso porquê as duas apresentam a mesma grande densidade de estrelas ao redor do bulbo central e o mesmo disco rotatório.

"É a primeira vez que se detecta a presença de um bulbo em um universo tão jovem na época, o que dá à SPT0418-47 o caráter de 'sósia' mais distante da Via Láctea", afirmaram os profissionais em nota lançada pela ESO.

+ VEJA: Conheça o prédio na Alemanha que transforma a água da chuva em uma sinfonia; assista ao vídeo

"Isso que descobrimos é bastante desconcertante: apesar de formar estrelas a uma velocidade alta e ser palco de processos altamente energéticos, SPT0418-47 é o disco galáctico mais bem ordenado observado até hoje no universo jovem", revelou Simona Vegetti, do instituto alemão Max Planck, coautora do estudo publicado nesta quarta-feira na revista científica Nature.

Filippo Fraternali da Universidade de Groningen, na Holanda, que também participou deste estudo, deu seu ponto de vista: "Este resultado contradiz o conjunto de previsões das simulações digitais e de dados de observação anteriores menos detalhados". O fato de não haver nenhum traço de turbulência dentro da galáxia, pode significar que o universo jovem tenha sido menos revolto do que se imaginava, mesmo pouco tempo após a explosão do Big Bang.

Último acesso: 17 Jan 2022 - 19:49:25 (1043276).