inspiracao   / Crime ambiental

Após tratamento, onça-pintada que teve patas queimadas durante incêndio Pantanal é solta no Mato Grosso

Em vídeo, podemos ver a saída do felino da caixa na qual foi transportado; assista

REDAÇÃO BONS FLUIDOS Publicado quarta 21 outubro, 2020

Em vídeo, podemos ver a saída do felino da caixa na qual foi transportado; assista
Após tratamento, onça-pintada que teve patas queimadas durante incêndio Pantanal é solta no estado de Goiás - Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Após 36 dias de tratamento, a onça-pintada resgatada com ferimentos graves nas patas em decorrência das queimadas no Pantanal foi solta neste último dia 20, terça-feira, na região de Porto Jofre, em Poconé, estado do Mato grosso, mesmo local em que foi encontrada.

O bioma já teve 26% de seu território tomado pelas chamas este ano, de acordo com informações do Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Lasa-UFRJ). Ousado, como foi apelidado o felino resgatado, é um dos vários animais que tiveram seus corpos mutilados pelas chamas.

+ VEJA: Estudo revela que cachorros mudam de personalidade com o passar do tempo

A onça resgatada no dia 17 de setembro apresentou sinais como as queimaduras de terceiro grau, forte desidratação, além de eventuais problemas renais. Ousado foi acolhido por especialistas e passou pouco mais de um mês em tratamento no Instituto de Preservação e Defesa dos Felídeos da Fauna Silvestre do Brasil em Processo de Extinção (Nex), localizado na cidade de Corumbá de Goiás (GO).

A rápida recuperação de Ousado se deu por conta de aplicações feitas a partir da terapia de ozônio e laser. Esta tecnologia permitiu que os pontos lesionados cicatrizassem e se regenerassem velozmente. Nesta quinta-feira, 15, o felino recebeu alta.

O transporte de volta à natureza se iniciou de carro e, em seguida, de barco até o local onde Ousado foi resgatado. A onça-pintada ainda recebeu um colar com GPS para que seja possível um monitoramento mesmo após a soltura. O objetivo é reavaliar sua readaptação ao bioma.

+ VEJA: Empresa cria golfinho-robô para substituir animais explorados em parques temáticos

Também participaram do resgate o ICMBio, a ONG AMPARA Animal/Silvestre, SEMA-MT, UFMT, Panthera e Pantanal Relief Fund. Em vídeo, podemos ver a saída do felino da caixa na qual foi transportado. Sua primeira reação é observar o ambiente, mas, após alguns segundos, é aplaudido pelos profissionais ao adentrar a mata.

Assista ao registro:

 

Último acesso: 24 Nov 2020 - 05:51:29 (1043659).