comportamento   / Coronavírus

Ritmo de contágio da Covid-19 no Brasil está diminuindo, revela Imperial College de Londres

Embora as taxas de transmissão estejam caíndo é necessário ficar atento para uma possível 2ª onda

Bons Fluidos Publicado quarta 11 novembro, 2020

Embora as taxas de transmissão estejam caíndo é necessário ficar atento para uma possível 2ª onda
Pela primeira vez em 6 meses o Brasil chegou a uma taxa de transmissão de 0,68 - Pexels

Um monitoramento feito pelo Imperial College de Londres, na Inglaterra, mostrou que a taxa estimada de transmissão do novo coronavírus é a menor no Brasil desde abril, o que significa que a situação é a mais positiva desde 6 meses. 

Segundo os dados divulgados pela instituição inglesa, a taxa de transmissão no Brasil passou de 1,01 em 3 de novembro, para 0,68 nesta terça-feira, 10. O que indica que 100  pessoas infectadas transmitem para outras 68, ou seja, menor potencial de propagação da Covid-19. 

+ VEJA TAMBÉM: Morte de voluntário da CoronaVac não tem relação com a vacina, mostra laudo

Embora a notícia seja animadora, não há motivos para descuidos com os cuidados de prevenção. O Brasil tem mais de 162 mil mortos pela doença e mais de 5,7 milhões de casos que tendem a subir se a segunda onda, enfrentada agora pelos europeus, chegar aqui. 

Situação na Europa

Depois de registrar queda no número de contaminados e viver um cenário relativamente menos preocupante diante do novo coronavírus, a Europa decidiu flexibilizar as medidas de prevenção pensando que o pior havia ficado para trás. 

+ VEJA TAMBÉM: Segunda onda de Covid-19 na Europa tem mais novos casos que no primeiro pico, mas menos óbitos

No entanto, este relaxamento desencadeou uma segunda onda de contaminações pela Covid-19, porém com algumas diferenças em relação à primeira crise: o pico de contaminados ultrapassou a primeira crise, mas menos pessoas estão morrendo ou precisando de tratamento médico. 

Ao contrário do que se viu no início do ano na Itália, Espanha e França - com hospitais sobrecarregados e falta de leitos de UTI para pacientes graves - desta vez, não existe um cenário caótico como antes, embora o pico de novos casos seja maior nesta segunda onda. 

O que pode explicar uma segunda crise de Covid-19 menos mortal ainda é motivo de debate entre a classe científica, mas acredita-se que a abrangência de testagem seja o principal motivo para o registro de menos óbitos. No início da pandemia, o acesso a testes era mais limitado e destinado principalmente a pessoas do grupo de risco. 
 

Último acesso: 24 Jul 2021 - 04:40:23 (1043785).