bem-estar   / Cuidados com o corpo

Saúde feminina: pandemia pode aumentar risco de candidíase em mulheres com diabetes

Descontrole glicêmico associado a diminuição da Imunidade potencializam o surgimento de quadros infecciosos por fungos e bactérias

REDAÇÃO BONS FLUIDOS Publicado terça 30 março, 2021

Descontrole glicêmico associado a diminuição da Imunidade potencializam o surgimento de quadros infecciosos por fungos e bactérias
Saúde feminina: pandemia pode aumentar risco de candidíase em mulheres com diabetes - Pexels

A Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) alerta que a grande variação glicêmica observada em pessoas com diabetes durante a pandemia pode elevar o risco para o desenvolvimento da candidíase. Se considerarmos que 59,4% das pessoas com DM apresentaram descontrole nos níveis de glicemia, conforme verificado em recente pesquisa brasileira1. A candidíase é uma infecção na pele ou membranas mucosas. Os locais mais comuns onde a doença se manifesta são a região genital e a boca.

A Candida integra a flora microbiana normal do corpo. Contudo, alterações imunológicas ou em seu microambiente levam o fungo a se proliferar e iniciar processos infecciosos. A candidíase de repetição é, frequentemente, o primeiro sintoma de diabetes tipo 2 – doença que pode levar de 4 a 10 anos até ser diagnosticada, devido à falta de sintomas, na fase inicial do diabetes.

+ VEJA: Saúde insere pessoas vivendo com HIV em grupo prioritário da vacinação

+ VEJA: Chá de cavalinha tem ação diurética e ajuda a combater a retenção de líquido; veja como preparar

"Quando o diabetes está descompensado, existe uma diminuição dos mecanismos de defesa do organismo, por falta da mobilização de leucócitos, aumentando a chance dos pacientes desenvolver a infecção", afirma o endocrinologista Dr. Airton Golbert, coordenador do Departamento de Diabetes na Gestação da SBD. Outro motivo, além da baixa imunidade, que contribui para o desenvolvimento da Candidíase é a alta excreção de glicose pela urina, que predispõe a instalação da infecção por cândida.

Segundo pesquisa indiana divulgada na US National Library of Medicine, a prevalência de Candida foi observada em 90% dos pacientes com diabetes descontrolada, em 63,3% das pessoas com diabetes controlada e em 20% das pessoas sem diabetes.

Fatores como excesso de umidade, estresse, falta de higiene adequada, e outros também contribuem para proliferação do fungo e formação de quadros infecciosos. O contato sexual desprotegido pode ainda transmitir o fungo e potencializar o surgimento de infecções. A candidíase provoca ardência, coceira e vermelhidão, entre outros sintomas. Quanto atinge a região genital, também pode provocar corrimento esbranquiçado.

Último acesso: 23 Oct 2021 - 17:56:57 (1044654).