bem-estar   / Responsabilidade e autocuidado

Quem cuida da sua saúde? Especialista ensina importância da autorresponsabilização: ''Eu sou a protagonista na manutenção da minha saúde''

Psicóloga organizacional ensina como promover a mudança na forma de pensar

BONS FLUIDOS Publicado terça 3 agosto, 2021

Psicóloga organizacional ensina como promover a mudança na forma de pensar
Você tem cuidado da sua saúde da melhor maneira? - FREEPIK/ pch.vector

Quando você lê a pergunta do título dessa matéria ‘Quem cuida da sua saúde?’, qual a sua resposta? Você acredita que a responsabilidade é dos seus médicos, em te dizerem qual plano alimentar deve seguir ou te alertar de possíveis problemas de saúde? Ou então da sua empresa, que precisa oferecer condições e benefícios para que você cuide melhor da sua saúde física e mental? Ou do governo, que precisa implementar políticas públicas para uma população mais saudável?  

Todos estes são grupos importantes que devem fazer parte dos cuidados com a sua saúde, entretanto, o protagonismo e a responsabilidade por ela cabe ao indivíduo, como explica a psicóloga organizacional Edwiges Parra. "Este movimento é o que chamamos accountability pessoal, ou seja, é trazer um senso de que Eu sou a protagonista no cuidado e manutenção da minha saúde e que não devo delegar à terceiros", explica.  

+++ Argentina passa a considerar cuidado materno como trabalho e dará direito à aposentadoria para mães

A especialista reforça que isso não quer dizer que você não possa pedir ajuda ou que, por exemplo, as empresas não são responsáveis ou os órgãos públicos. "Pegar a vida em suas mãos, assumir a responsabilidade pela sua saúde, significa sim pedir ajuda de terceiros, mas não delegar totalmente a responsabilidade ao outro. Aliás, o ato de pedir ajuda é justamente não esperar que o outro descubra que você precisa de ajuda", completa.  

Mudança de consciência  

Segundo Edwiges, já ocorre na população um movimento das pessoas perceberem a importância dos cuidados preventivos com a saúde, não mais esperando chegar em estágios de difícil e às vezes até impossível tratamento. Entretanto, ainda é um costume usarem como justificativa que falta tempo, apoio dos familiares, falta de estrutura por parte da empresa e afins, sem jamais aceitarem que precisam tomar as rédeas da situação.  

Outro fator presente no comportamento dos pacientes, de acordo com a psicóloga, é a busca pelos resultados rápidos.

"Ter uma melhor qualidade de vida exige constância e a maioria das pessoas ainda querem o imediatismo, começar a se exercitar hoje e ver o resultado transformador na semana que vem e isso é impossível, é irreal. Por isso, muitos acabam buscando caminhos mais ‘fáceis’ como cirurgias plásticas e medidas questionáveis, esquecendo que a construção de hábitos envolve uma mudança de consciência", diz Edwiges.  

 

3 DICAS PARA COMEÇAR A MUDAR  

A pedido da BONS FLUIDOS, a psicóloga listou três dicas para você leitor começar a mudar esse comportamento e ter mais responsabilidade com a sua saúde: 

+++ Aos 91 anos, vovô famoso na internet morre após queda no banheiro e caso reforça cuidado que idosos precisam ter dentro de casa

Não existe nada fácil: O fácil vem a partir do momento que você se empenha em se dedicar para aquela atividade, para aquele exercício, aquela mudança. No começo é mais trabalhoso, mas com o passar do tempo, com o passar das fases, você vai ganhando capacidade e passando cada etapa.  

Abraço o processo: Muitas pessoas focam apenas no resultado, entretanto, isso é um erro, pois você irá passar mais tempo trabalhando nessa jornada rumo ao objetivo, então, focar apenas lá no fim aumenta suas chances de desistir.   

Desdobre o todo: E para gostar do processo, a dica é justamente ir colocando pequenas metas a serem alcançadas. Pegar o objetivo maior e dividir ele em etapas, para assim você conseguir visualizar a sua trajetória e as conquistas ao longo dela. 

 

Último acesso: 22 Oct 2021 - 09:06:49 (1045477).