bem-estar   / Menstruação não pode ser tabu

Combate à pobreza menstrual, problema que afeta milhares de mulheres e adolescentes, ganha iniciativas ao redor do Brasil

Marca brasileira de coletores menstruais promove doações e participa de projetos de conscientização sobre saúde feminina

Viva Saúde Publicado sexta 14 maio, 2021

Marca brasileira de coletores menstruais promove doações e participa de projetos de conscientização sobre saúde feminina
Marca brasileira de coletores menstruais faz doações para acabar com a pobreza menstrual - Pexels

Em 2014, a Organização das Nações Unidas (ONU) reconheceu o direito das mulheres à higiene menstrual como uma questão de saúde pública e de direitos humanos. Mas, na prática, não é isso o que ocorre. A chamada pobreza menstrual, que denuncia a falta de acesso a produtos como absorventes e coletores menstruais, continua sendo rotina na vida de milhões de mulheres no Brasil e no mundo. 

Em média, as mulheres gastam quase nove mil reais em absorventes descartáveis ao longo da vida, o que dá, aproximadamente, R$ 210 por ano. Diante desses números, é de se imaginar que o acesso a produtos de higiene menstrual seja uma questão de privilégio. 

+ VEJA TAMBÉM: Endometriose pode afetar 10% das mulheres brasileiras

“É triste perceber que existem mulheres que precisam escolher entre comprar comida ou absorventes. Estamos longe de uma condição de vida digna”, afirma Mariana Betioli, obstetriz e criadora de marca pioneira de coletores menstruais.

Clique aqui para ler a matéria completa no site da Revista Viva Saúde, parceira da Bons Fluidos.

Último acesso: 29 Nov 2021 - 19:06:14 (1044952).