COMPORTAMENTO

6 dicas para lidar com os momentos de ''birras'' das crianças

A birra costuma ser é a queixa número #1 dos pais. Lidar com a birra não é fácil, mas é inevitável, o comportamento faz parte do desenvolvimento de seu filho. Se tantos adultos ainda não sabem lidar com o que sentem, imagine as crianças que possuem um cérebro ainda imaturo, não é mesmo?

Segundo Telma Abrahão, Educadora Parental, especialista em Inteligência Emocional e em perfil comportamental, e autora do Best Seller “Pais que Evoluem”, as birras não devem ser vistas como algo terrível, mas sim como parte do desenvolvimento cerebral e emocional do ser humano.

+++ Conheça 8 livros perfeitos para ensinar valores às crianças

“Quando compreendemos que as birras não são um ataque contra nós, mas sim uma forma desesperada de lidar com a frustração que as crianças sentem, da única forma que conseguem, e de buscarem a nossa atenção, mesmo que de forma negativa, tudo muda. Somos o adulto dessa relação e, portanto, cabe a nós ajudarmos nossos filhos a saírem do desespero que esses momentos geram ao invés de nos desesperarmos mais do que eles”, explica a especialista.

+++ Ajude seu filho, mas não FAÇA a lição de casa por ele! Confira 5 dicas para não atrapalhar o desenvolvimento das crianças

Geralmente, os principais motivos das birras são: necessidades emocionais não atendidas, geradas pela falta de tempo de qualidade com pais, conexão e afeto; necessidades físicas não atendidas, como cansaço, sono e fome; e a imaturidade neurológica, uma vez que a criança possui um cérebro imaturo e não sabe lidar com o que sente.

Confira as seis dicas listadas por Telma para lidar com esses momentos de birras, sem perder o controle:

1-      Evite ensinar o que fazer ou como agir: nesse momento as crianças não escutam o que falamos, elas estão dominadas pelas emoções;

2-      Não grite: Isso só vai piorar a situação e prolongar a crise, pois as crianças ficam ainda mais desestabilizadas;

3-      Não ameace abandono: frases como “vou embora, não aguento mais”, são levadas a sério pela criança, que acredita no que escuta e se desespera ainda mais;  

4-      Mantenha a calma: fique perto em silêncio, mude de ambiente, demonstre empatia e mantenha nos limites;

5-      Valide a emoção: apoie seu filho nesse momento.  Use frases como “tudo bem sentir raiva, eu também sinto às vezes. Quando se acalmar conversamos”;

6-      Fique emocionalmente disponível: é importante que os pais fiquem disponíveis para ajudar seu filho a lidar com o que sente, a educação emocional deve começar em casa e no dia a dia e existem inúmeras oportunidades para ensinar os pequenos a lidarem com o que sentem.

+++ Para ser mãe não precisa ser perfeita


Sobre a autora

Telma Abrahão - Educadora Parental, especialista em Inteligência Emocional e em perfil comportamental. Fundou a escola de pais Positive Parenting Education, localizada na Flórida, nos Estados Unidos, onde vive com sua família e dedica todos os seus esforços para levar aos pais a importância da reeducação emocional na construção de uma maior conexão na relação com os filhos. É formada em Biomedicina há mais de 20 anos e uma das pioneiras no Brasil a unir ciência a educação dos filhos.

As últimas notícias de comportamento